22/12/2015

Verão é tempo de dar ainda mais atenção à pele

Verão é tempo de curtir sol, calor e as atividades realizadas ao ar livre. O período, no entanto, é caracterizado pela incidência de radiação solar com mais intensidade sobre a Terra, aumentando o risco de queimaduras, Câncer de pele e outros problemas. Por isso, segundo a dermatologista Maria Imaculada Milagres, integrante do Comitê de Especialidades da Unimed-BH, a fotoproteção não pode ser deixada de lado.

Filtro solar

O verão é o momento de intensificar o uso de filtro solar, que deve ser aplicado diariamente, e não somente nos momentos de lazer. “Geralmente, o fator de proteção é o 30, para a maioria da população brasileira. Entretanto, as pessoas com pele mais escura podem usar FPS 15, e de pele muito branca, cabelos vermelhos e olhos claros devem consumir FPS maior que 30", ensina a dermatologista. A pele negra conta com uma proteção “natural” da pele, pela maior quantidade de melanina produzida, mas também devem manter a fotoproteção.

O filtro solar deve proteger contra os raios UVA (indicado pelo PPD) e contra os raios UVB (indicado pelo FPS). A aplicação deve ser feita 30 minutos antes da exposição solar, para que a pele o absorva. O produto deve ser reaplicado a cada duas horas ou em menor período, caso haja transpiração excessiva ou se a pessoa entrar na água, e tem que ser passado de forma generosa e uniforme em todas as partes de corpo, incluindo mãos, orelhas, nuca e pés.

Em crianças, o filtro solar só pode ser aplicado a partir dos seis meses de idade e deve-se usar um produto adequado para a pele sensível do bebê, de preferência filtros físicos. “O ideal é pedir orientação a um pediatra ou a um dermatologista sobre qual o melhor tipo para cada caso. O fator de proteção solar deve ser 30 ou mais”, afirma a médica. Ela ressalta que é preciso que as crianças e jovens criem o hábito de usar o protetor solar diariamente, pois 75% da radiação acumulada durante toda a vida ocorre até os 20 anos.

Tecidos adequados

No verão também é importante usar chapéu e roupas de algodão nas atividades ao ar livre, pois os materiais retêm cerca de 90% das radiação UV. Tecidos sintéticos, como o nylon, retêm apenas 30%. “O ideal é evitar a exposição solar entre 10h e 16h (Horário de Verão). As barracas usadas na praia devem ser feitas de algodão ou lona, materiais que absorvem 50% da radiação UV. Outro objeto que tem extrema importância são os óculos de sol, que previnem cataratas e lesões à córnea”, aconselha Imaculada Milagres.

Hábitos diários

As temperaturas mais quentes exigem hidratação redobrada, por dentro e por fora. Todos os dias, é necessário aplicar um bom hidratante, que ajuda a manter a quantidade de água na pele entre 10% e 30%. “Peles secas necessitam de cremes emolientes ou ricos em ceramidas, ao passo que peles oleosas e ou acneicas pedem outro tipo de hidratante. No banho, é importante usar sabonetes compatíveis com o tipo de pele. A temperatura da água deve ser fria ou morna, para evitar o ressecamento”, indica.

Alguns alimentos podem ajudar na prevenção dos danos que o sol causa à pele, como cenoura, abóbora, mamão, maçã e beterraba, pois contêm carotenóides, substância que se deposita na pele e retém as radiações ultravioletas. São encontradas nas frutas e legumes de cor alaranjada ou vermelha.

“Os cabelos, sempre que possível, devem ser protegidos por chapéus ou bonés. O uso de xampus neutros e tratamentos hidratantes frequentes são indicados, principalmente na praia. Uma dica bacana é que o uso de fluidos siliconados nas pontas dos cabelos impede que eles se danifiquem com o vento, calor ou maresia”, aconselha a dermatologista.

Ela finaliza lembrando que as pessoas que frequentam praias ou clubes devem evitar permanecer muito tempo com roupas molhadas, já que a umidade favorece o aparecimento de infecções de pele, tanto bacterianas quanto fúngicas.

Fonte: www.otempo.com.br