21/01/2016

Novo tratamento de Hepatite C dá qualidade de vida aos portadores

Helenisar não conseguiu a cura da doença, que pode causar cirrose e câncer. Em vez disso, os fortes efeitos colaterais causados pelo medicamento deixaram atividades simples do cotidiano dela mais difíceis. Composto por comprimidos e injeções periódicas, a antiga medicação causava, por exemplo, irritação nervosa e podia resultar em novas doenças, como a anemia.

Desde o fim do ano passado, no entanto, Helenisar voltou a acreditar na possibilidade de se ver livre do vírus. Ela foi a primeira paciente do SUS a receber Sufosbuvir e o Daclatasvir, que compõem o novo tratamento para a doença. Distribuído gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), os medicamentos têm mudado, aos poucos, a vida de portadores da doença. “O tratamento era horrível. Era buscar mais dores para dentro do corpo”, recorda. “Agora, eu tomo saúde”, compara.

Em 2015, o novo tratamento passou a ser importado pelo Ministério da Saúde de Canadá, Estados Unidos e Holanda. O primeiro lote para atender 30 mil pacientes do SUS recebeu investimento de R$ 1 bilhão. O ministério obteve desconto de 420% devido ao volume comprado em relação à média paga por outros países pelos mesmos medicamentos. A Dinamarca, por exemplo, gasta de US$ 82 mil a US$ 92 mil por paciente, enquanto o Brasil investe US$ 9,6 mil em cada tratamento.

A Hepatite C pode evoluir dos estágios F1 e F2 (fibrose), F3 (fibrose avançada) até o F4 (cirrose). Helenisar e Moacir são portadores da Hepatite C no estágio F4 e, por isso, vão enfrentar o novo tratamento por seis meses. Depois desse período, eles vão esperar mais três meses para fazer o exame para saber se estarão curados.

A farmacêutica de componente especializado Renata Cavalcati Capeli, do Hospital Dia do Distrito Federal, afirma que o tratamento anterior em muitos casos era abandonado pelos pacientes devido aos efeitos colaterais e tinha baixo potencial de cura real. “O índice de cura já foi de 30% e depois foi para 70%. Com a nova geração de medicamentos, a chance de cura está girando entorno de 90%. É outra realidade. Antigamente agente curava 30 (pacientes de cada cem) e 70 continuavam doentes”, diz.

A Hepatite C pode ter afetado em maior escala os nascidos antes de 1993, quando a doença começou a ser diagnosticada. O principal grupo potencial de infectados são os nascidos entre 1945 e 1965 que fizeram transfusão de sangue, tatuagem ou mesmo os que usaram drogas injetáveis. "Até o esmalte da manicure pode passar a Hepatite C, porque ele mantém o vírus vivo por algum tempo", observa a farmacêutica.

Fonte: www.blog.saude.gov.br