10/09/2019

Vacinar para se proteger

Em um relatório divulgado no dia 4 de setembro, o Ministério da Saúde informou que 2.753 casos de sarampo já haviam sido confirmados no Brasil nos últimos 90 dias. O número é 18% maior do que o do último boletim divulgado, em 28 de agosto, mostrando que os casos da doença no país sofreram um aumento relevante em apenas 7 dias.  

Ainda de acordo com o levantamento, foram registradas quatro mortes em decorrência do sarampo: três em São Paulo (duas crianças e um adulto) e uma em Pernambuco (uma criança).  

Em Minas Gerais, já são 13 diagnósticos comprovados, sendo nove em Uberlândia, dois em Belo Horizonte, um em Betim e um em Contagem. Segundo o último levantamento epidemiológico da Secretaria de Saúde do Estado, de 5 de setembro, outros 138 casos suspeitos estão sendo investigados.  

Como a maioria dos pacientes com sintomas da doença são crianças, o atual cenário reforça a necessidade de que esse público seja vacinado, principalmente as crianças com menos de 1 ano de idade – afinal, a vacina é a única forma de prevenção. Desde agosto, Belo Horizonte ampliou sua cobertura contra o sarampo para atender à recomendação do Ministério da Saúde, aplicando a dose de tríplice viral (que também protege contra caxumba e rubéola) para crianças entre seis meses e 11 meses e 29 dias.  

E os adultos que não tomaram a vacina quando criança? 

As pessoas que foram vacinadas a partir do primeiro ano de vida não precisam de uma nova dose. Mas para quem não possui um comprovante de que se protegeu adequadamente, o indicado é procurar um posto de saúde para reforçar a proteção.

Pessoas com idade entre 1 e 29 anos podem tomar a vacina em duas doses e, dos 30 aos 49 anos, ela é aplicada em uma dose (exceto para profissionais de saúde, que devem receber duas).  

Quem não deve tomar a vacina?

Como é feita com o vírus atenuado, a vacina é contraindicada a crianças menores de 6 meses, gestantes, pessoas com problemas de imunidade (como portadores de HIV) e pacientes em uso crônico de corticoides ou que façam quimioterapia.  

Quais são os sintomas do sarampo?

Causado por um vírus, o sarampo é altamente contagioso e tem como principais sintomas febre, tosse, coriza, olhos vermelhos, perda de apetite e manchas vermelhas na pele. Crianças e pessoas com o sistema imunológico comprometido podem sofrer complicações, como diarreia, pneumonia, hepatite e encefalite (inflamação do cérebro).  

O contágio ocorre pelo contato com pessoas doentes ou pelo ar, uma vez que as secreções respiratórias de um paciente com sarampo ficam suspensas no ambiente por até duas horas.