11/11/2019

A arteterapia e a promoção da saúde

A depressão é a principal causa de incapacidade em todo o mundo, atingindo mais de 300 milhões de pessoas, de todas as idades, segundo dados da Associação Pan-Americana de Saúde (OPAS) e da Organização Mundial da Saúde (OMS). Na luta contra esse transtorno, os tratamentos psicológicos e, quando necessário, o uso de medicamentos prescritos por um profissional de saúde, são importantes aliados.

Você sabia que existem tratamentos alternativos para a depressão, que auxiliam os métodos tradicionais utilizados pela psicologia? Uma delas é a arteterapia, um procedimento terapêutico que une arte e psicologia para tratar a depressão e outros problemas que afetam a saúde mental, como a ansiedade e a síndrome do pânico.  

Com a ajuda de um profissional especializado, o paciente pode experimentar as diversas formas da arte em diferentes atividades, como escrever a letra de uma música, pintar uma tela, fazer um desenho ou escrever uma poesia. Usada como forma de superar a depressão, a arte ajuda a pessoa em seu processo pela busca de equilíbrio emocional e favorece a reflexão dos conflitos internos, ajudando a complementar o tratamento da depressão.

De acordo com a psicóloga Adriana Quintão, o objetivo é trabalhar as emoções e os sentimentos do paciente para despertar uma produção artística e, assim, atuar em questões psíquicas subliminares. “A arteterapia não é liberada apenas para psicólogos, mas também para outros profissionais. Um fotógrafo, por exemplo, pode usar a fotografia para induzir uma pessoa a expressar seus sentimentos”, afirma Adriana.

Para ser um arteterapeuta, o profissional precisa de uma formação específica de acordo com as normas da União Brasileira de Arteterapia (UBAAT). Isso quer dizer que pessoas de diferentes áreas, como pedagogia, psiquiatria, fonoaudiologia, enfermagem, entre outros, também podem se especializar e inserir esse tipo de terapia em seu setor de atuação.   A arteterapia pode ser trabalhada individualmente ou em grupos, em hospitais ou até mesmo em centros educativos, e é indicada para pessoas de todas as idades.